Pedidos de informação e pedidos de ação em Português do Brasil, fala carioca e em Espanhol Europeu, fala madrilena: variantes ou padrões entonacionais distintos?. da Silva, C. G.; Rebollo, L.; and Pinto, M. d. S. In Anais do III Colóquio Brasileiro de Prosódia da Fala, Belo Horizonte. 6-8 junho 2011.
Pedidos de informação e pedidos de ação em Português do Brasil, fala carioca e em Espanhol Europeu, fala madrilena: variantes ou padrões entonacionais distintos? [pdf]Paper  abstract   bibtex   
Pretendemos com este trabalho descrever fonética e analisar fonologicamente a entoação de enunciados interrogativos totais, cumprindo duas funções comunicativas distintas (Hirschberg, 2002): pedido de informação e pedido de ação, contrastando realizações em Português do Brasil (fala carioca) com realizações em Espanhol Europeu (fala madrilena) para procurar compreender as realizações dos falantes brasileiros de E/LE. Pedidos de informação e pedidos de ação equivalem a atos ilocutórios diretivos, correspondendo a ``tentativas do falante de levar o ouvinte a fazer algo'' (Searle, 1995), uma ação verbal, no primeiro caso e não verbal, no segundo. Como muitas vezes os pedidos de informação e os pedidos de ação apresentam uma mesma estrutura frasal, a entoação passa a ser o único recurso capaz de desfazer a ambiguidade e de permitir o reconhecimento das duas funções comunicativas (Moraes & Colamarco, 2007).De acordo com o proposto por Moraes (2008) para o português do Brasil, os enunciados interrogativos totais apresentam variantes de um mesmo padrão entonacional nessas duas funções comunicativas. Desse modo, afirma que o traço distintivo a singularizar as curvas de frequência fundamental (F0) dos dois padrões seria o alinhamento ``tardio'' do tom alto na sílaba tônica do acento nuclear do pedido de informação, representado pelo diacrítico ``\textless'', por oposição ao alinhamento ``adiantado'' na tônica final do pedido de ação, indicado por ``\textgreater'', gerando as seguintes representações fonológicas para os contornos melódicos de pedido de informação e pedido de ação, respectivamente: L+\textlessH*L% e L+\textgreaterH*L%, ambos com contorno melódico final circunflexo.No que tange ao espanhol de Madri (Castilian Spanish), Estevas & Prieto (2008) propõem padrões entonacionais distintos para os enunciados interrogativos totais que cumprem essas duas funções comunicativas. Para o pedido de informação, o padrão entonacional proposto é L*HH%, contorno melódico final ascendente, já para o pedido de ação, o padrão entonacional proposto é H+L*L%, contorno melódico final descendente. Ou seja, teríamos padrões fonológicos discretos, contrastantes em espanhol de Madri (Estevas & Prieto: 2008), e variações do mesmo padrão no PB (Moraes: 2008).Considerando as diferenças prosódicas que já conhecemos entre o português do Brasil e o espanhol de Madri no plano prosódico, elaboramos dois objetivos específicos para o estudo: i) comparar as variações de F0 e de duração em enunciados interrogativos totais, enunciados pragmaticamente como pedidos de informação e como pedidos de ação no português de Brasil (fala carioca) e no espanhol (fala madrilena); ii) verificar como falantes brasileiros do Rio de Janeiro realizam os contornos entonacionais de enunciados interrogativos como pedidos de informação e como pedidos de ação na língua estrangeira alvo e compará-los com o padrão do Português do Brasil, fala carioca, a fim de verificar que traços prosódicos os aprendizes transferem de sua LM para a LE alvo.O corpus do trabalho consiste em 24 enunciados interrogativos totais em E/LE, os quais foram descritos a partir da análise fonética do contorno de frequência fundamental e medidas de duração de sílabas através do programa computacional Praat (Boersma y Weenink, 1993-2006) e etiquetados fonologicamente segundo o modelo Métrico Autossegmental - AM (Ladd, 1996). Constatamos em nossas análises que os aprendizes tendem a empregar o sistema de sua LM ao se expresarem na LE. Pretendemos com este trabalho sistematizar os contornos melódicos de Pedidos de Informação e de Pedidos de Ação em Português do Brasil, fala carioca; Espanhol de Madri e Espanhol como língua estrangeira.
@inproceedings{da_silva_pedidos_2011,
	Address = {Belo Horizonte. 6-8 junho 2011},
	Author = {da Silva, Carolina Gomes and Rebollo, Leticia and Pinto, Maristela da Silva},
	Booktitle = {Anais do III Colóquio Brasileiro de Prosódia da Fala},
	Date = {2011},
	Date-Modified = {2016-09-23 19:24:13 +0000},
	Keywords = {España, geographical variation, interrogatives, intonation, Madrid, phonetics, Portuguese, pragmatics, prosody, Spanish},
	Title = {Pedidos de informação e pedidos de ação em Português do Brasil, fala carioca e em Espanhol Europeu, fala madrilena: variantes ou padrões entonacionais distintos?},
	Url = {http://www.experimentalprosodybrazil.org/2632011.pdf},
	Abstract = {Pretendemos com este trabalho descrever fonética e analisar fonologicamente a entoação de enunciados interrogativos totais, cumprindo duas funções comunicativas distintas (Hirschberg, 2002): pedido de informação e pedido de ação, contrastando realizações em Português do Brasil (fala carioca) com realizações em Espanhol Europeu (fala madrilena) para procurar compreender as realizações dos falantes brasileiros de E/LE. Pedidos de informação e pedidos de ação equivalem a atos ilocutórios diretivos, correspondendo a ``tentativas do falante de levar o ouvinte a fazer algo'' (Searle, 1995), uma ação verbal, no primeiro caso e não verbal, no segundo. Como muitas vezes os pedidos de informação e os pedidos de ação apresentam uma mesma estrutura frasal, a entoação passa a ser o único recurso capaz de desfazer a ambiguidade e de permitir o reconhecimento das duas funções comunicativas (Moraes \& Colamarco, 2007).De acordo com o proposto por Moraes (2008) para o português do Brasil, os enunciados interrogativos totais apresentam variantes de um mesmo padrão entonacional nessas duas funções comunicativas. Desse modo, afirma que o traço distintivo a singularizar as curvas de frequência fundamental (F0) dos dois padrões seria o alinhamento ``tardio'' do tom alto na sílaba tônica do acento nuclear do pedido de informação, representado pelo diacrítico ``{\textless}'', por oposição ao alinhamento ``adiantado'' na tônica final do pedido de ação, indicado por ``{\textgreater}'', gerando as seguintes representações fonológicas para os contornos melódicos de pedido de informação e pedido de ação, respectivamente: L+{\textless}H*L\% e L+{\textgreater}H*L\%, ambos com contorno melódico final circunflexo.No que tange ao espanhol de Madri (Castilian Spanish), Estevas \& Prieto (2008) propõem padrões entonacionais distintos para os enunciados interrogativos totais que cumprem essas duas funções comunicativas. Para o pedido de informação, o padrão entonacional proposto é L*HH\%, contorno melódico final ascendente, já para o pedido de ação, o padrão entonacional proposto é H+L*L\%, contorno melódico final descendente. Ou seja, teríamos padrões fonológicos discretos, contrastantes em espanhol de Madri (Estevas \& Prieto: 2008), e variações do mesmo padrão no PB (Moraes: 2008).Considerando as diferenças prosódicas que já conhecemos entre o português do Brasil e o espanhol de Madri no plano prosódico, elaboramos dois objetivos específicos para o estudo: i) comparar as variações de F0 e de duração em enunciados interrogativos totais, enunciados pragmaticamente como pedidos de informação e como pedidos de ação no português de Brasil (fala carioca) e no espanhol (fala madrilena); ii) verificar como falantes brasileiros do Rio de Janeiro realizam os contornos entonacionais de enunciados interrogativos como pedidos de informação e como pedidos de ação na língua estrangeira alvo e compará-los com o padrão do Português do Brasil, fala carioca, a fim de verificar que traços prosódicos os aprendizes transferem de sua LM para a LE alvo.O corpus do trabalho consiste em 24 enunciados interrogativos totais em E/LE, os quais foram descritos a partir da análise fonética do contorno de frequência fundamental e medidas de duração de sílabas através do programa computacional Praat (Boersma y Weenink, 1993-2006) e etiquetados fonologicamente segundo o modelo Métrico Autossegmental - AM (Ladd, 1996). Constatamos em nossas análises que os aprendizes tendem a empregar o sistema de sua LM ao se expresarem na LE. Pretendemos com este trabalho sistematizar os contornos melódicos de Pedidos de Informação e de Pedidos de Ação em Português do Brasil, fala carioca; Espanhol de Madri e Espanhol como língua estrangeira.},
	Bdsk-Url-1 = {http://www.experimentalprosodybrazil.org/2632011.pdf}}
Downloads: 0