Territórios autônomos zapatistas: esboços de uma geografia alternativa. ALKMIN, F. & JESUS, G. Agrária, 19:158–195, 2013.
Territórios autônomos zapatistas: esboços de uma geografia alternativa [link]Paper  doi  abstract   bibtex   
Observa-se nas últimas três décadas a emergência política de diversas organizações indígenas nos países latino-americanos. No bojo desse fenômeno, o Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) levantou-se publicamente em armas no ano de 1994, em Chiapas, México. O EZLN destacou-se dos demais movimentos indígenas não só pelo uso das armas, mas também por suas estratégias discursivas e propostas alternativas ao indigenismo integracionista até então levado a cabo pelo Estado mexicano. Entre as demandas já “tradicionais” dos povos indígenas, como a questão da permanência à terra, o movimento zapatista incluiu em sua pauta política a reivindicação por autonomia, entendida, nesse contexto, como um distinto regime jurídico-territorial que permita aos povos indígenas mexicanos o exercício concreto da autodeterminação. Após o fracasso na aprovação de uma lei que definisse os marcos legais desse regime autonômico, os zapatistas decidem consolidar unilateralmente a autonomia que já vinham desenvolvendo em suas comunidades, desde o final de 1994. A partir dessa “autonomia em resistência” suprimiram qualquer tipo de relação com o Estado. As mudanças dessas relações de poder se projetaram no espaço, onde, a partir da conformação de comunidades, municípios e zonas autônomas, criaram-se governos paralelos zapatistas, operantes até a presente data. Uma descrição detalhada da formação, estrutura e administração político-territorial da autonomia zapatista é o objeto do presente artigo.
@article{alkmin_territorios_2013,
	series = {Latin {America} / {Caribbean}},
	title = {Territórios autônomos zapatistas: esboços de uma geografia alternativa},
	volume = {19},
	copyright = {Copyright (c) 2016},
	issn = {1808-1150},
	shorttitle = {Territórios autônomos zapatistas},
	url = {https://www.revistas.usp.br/agraria/article/view/83442},
	doi = {10.11606/issn.1808-1150.v0i19p158-195},
	abstract = {Observa-se nas últimas três décadas a emergência política de diversas organizações indígenas nos países latino-americanos. No bojo desse fenômeno, o Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) levantou-se publicamente em armas no ano de 1994, em Chiapas, México. O EZLN destacou-se dos demais movimentos indígenas não só pelo uso das armas, mas também por suas estratégias discursivas e propostas alternativas ao indigenismo integracionista até então levado a cabo pelo Estado mexicano. Entre as demandas já “tradicionais” dos povos indígenas, como a questão da permanência à terra, o movimento zapatista incluiu em sua pauta política a reivindicação por autonomia, entendida, nesse contexto, como um distinto regime jurídico-territorial que permita aos povos indígenas mexicanos o exercício concreto da autodeterminação. Após o fracasso na aprovação de uma lei que definisse os marcos legais desse regime autonômico, os zapatistas decidem consolidar unilateralmente a autonomia que já vinham desenvolvendo em suas comunidades, desde o final de 1994. A partir dessa “autonomia em resistência” suprimiram qualquer tipo de relação com o Estado. As mudanças dessas relações de poder se projetaram no espaço, onde, a partir da conformação de comunidades, municípios e zonas autônomas, criaram-se governos paralelos zapatistas, operantes até a presente data. Uma descrição detalhada da formação, estrutura e administração político-territorial da autonomia zapatista é o objeto do presente artigo.},
	language = {pt},
	urldate = {2021-04-11},
	journal = {Agrária},
	author = {ALKMIN, Fábio and JESUS, Graziela},
	year = {2013},
	keywords = {Language: Portuguese, Region: Latin America / Caribbean},
	pages = {158--195},
	file = {ALKMIN et JESUS - 2013 - Territórios autônomos zapatistas esboços de uma g.pdf:/Users/bastien/Zotero/storage/UJ8XSSWL/ALKMIN et JESUS - 2013 - Territórios autônomos zapatistas esboços de uma g.pdf:application/pdf},
}

Downloads: 0