Ritual mapimaí: criação do mundo dos Paiter Suruí. ALMEIDA SILVA, A., MARETTO, L. C., MEDEIROS, A., CARDOZO, I., SURUI, A., & FLORIANI, N. Espacio Regional, 10:13–32, 2013.
Ritual mapimaí: criação do mundo dos Paiter Suruí [link]Paper  doi  abstract   bibtex   
O presente artigo retrata a cultura dos Paiter Suruí, especificamente sobre sua realidade e a origem de seu universo, que é reproduzido em representações festivas e ritualísticas que mantém viva sua identidade. Dentre os vários rituais existentes, o Mapimaí explica a origem do mundo e representado por vários dias. Os símbolos representativos do Mapimaí em 2011, objeto desta pesquisa, foi o gavião real, a floresta e o rio, porém estes símbolos recebem novos significados – e não perdem seu sentido maior, de evento para evento. O grupo Kaban dono da chicha e anfitrião do evento, conduziu o ritual e, escolheu a aldeia Apoena Meireles localizada em Rondolândia, Mato Grosso, para ser o lócus de sua representação. A ritualística é realizada com a bebida chicha que pode ser feita de mandioca, cará, milho ou inhame, preparada e fermentada com antecedência. É feito pintura num tronco de madeira (trono) em que os convidados pelo dono da chicha vão se sentar. Feito todos os preparativos, os grupos Gamep, Gamir, Makor e Kaban se encontram, desafiam entre si a beber chicha até não suportar mais. Os casais dançam em círculo de mãos dadas ou abraçados sob o som de flauta e cantos cujas letras das músicas abordam o papel do gavião real, da floresta e rio – como elementos de construção da identidade - e as letras não se repetem. Em suma, a intenção do evento ritualístico é o fortalecimento da união entre os Paiter Suruí.
@article{almeida_silva_ritual_2013,
	series = {Latin {America} / {Caribbean}},
	title = {Ritual mapimaí: criação do mundo dos {Paiter} {Suruí}},
	volume = {10},
	url = {https://doi.org/10.32735/S2735-61752013000210%25x},
	doi = {10.32735/S2735-61752013000210%25x},
	abstract = {O presente artigo retrata a cultura dos Paiter Suruí, especificamente sobre sua realidade e a origem de seu universo, que é reproduzido em representações festivas e ritualísticas que mantém viva sua identidade. Dentre os vários rituais existentes, o Mapimaí explica a origem do mundo e representado por vários dias. Os símbolos representativos do Mapimaí em 2011, objeto desta pesquisa, foi o gavião real, a floresta e o rio, porém estes símbolos recebem novos significados – e não perdem seu sentido maior, de evento para evento. O grupo Kaban dono da chicha e anfitrião do evento, conduziu o ritual e, escolheu a aldeia Apoena Meireles localizada em Rondolândia, Mato Grosso, para ser o lócus de sua representação. A ritualística é realizada com a bebida chicha que pode ser feita de mandioca, cará, milho ou inhame, preparada e fermentada com antecedência. É feito pintura num tronco de madeira (trono) em que os convidados pelo dono da chicha vão se sentar. Feito todos os preparativos, os grupos Gamep, Gamir, Makor e Kaban se encontram, desafiam entre si a beber chicha até não suportar mais. Os casais dançam em círculo de mãos dadas ou abraçados sob o som de flauta e cantos cujas letras das músicas abordam o papel do gavião real, da floresta e rio – como elementos de construção da identidade - e as letras não se repetem. Em suma, a intenção do evento ritualístico é o fortalecimento da união entre os Paiter Suruí.},
	language = {pt},
	journal = {Espacio Regional},
	author = {ALMEIDA SILVA, Adnilson and MARETTO, Luis Carlos and MEDEIROS, Adriana and CARDOZO, Ivaneide and SURUI, Almir and FLORIANI, Nicolas},
	year = {2013},
	keywords = {Language: Portuguese, Region: Latin America / Caribbean},
	pages = {13--32},
	file = {ALMEIDA SILVA et al. - 2013 - Ritual mapimaí criação do mundo dos Paiter Suruí.pdf:/Users/bastien/Zotero/storage/H5SZY4QH/ALMEIDA SILVA et al. - 2013 - Ritual mapimaí criação do mundo dos Paiter Suruí.pdf:application/pdf},
}

Downloads: 0