Diversidade alimentar e urbanização: o papel das migrações circulares indígenas no Noroeste Amazônico. ELOY, L. Anthropology of Food, 2009.
Diversidade alimentar e urbanização: o papel das migrações circulares indígenas no Noroeste Amazônico [link]Paper  doi  abstract   bibtex   
A cidade de São Gabriel da Cachoeira, localizada no noroeste da Amazônia brasileira, é majoritariamente habitada por famílias indígenas. Neste artigo, investigamos em que medida as territorialidades indígenas propiciam a manutenção de uma diversidade alimentar neste contexto. Para tanto, combinamos o estudo de sistemas de produção periurbanos, a observação participante de práticas alimentares e a análise das principais linhas de abastecimento alimentar na cidade. A incorporação de alimentos de origem exógena nas refeições indígenas deve-se principalmente às condições de acesso aos recursos naturais e de mobilização da mão de obra. Para contornar essas dificuldades, os grupos domésticos articulam os recursos urbanos e florestais por meio da produção multilocal e da migração circular cidade-floresta. Além disso, na escala da família extensa, as redes de troca entre a cidade e a floresta favorecem a manutenção da qualidade dos produtos e da agrobiodiversidade.
@article{eloy_diversidade_2009,
	series = {Latin {America} / {Caribbean}},
	title = {Diversidade alimentar e urbanização: o papel das migrações circulares indígenas no {Noroeste} {Amazônico}},
	volume = {Special 6},
	url = {http://aof.revues.org/6444},
	doi = {10.4000/aof.6444},
	abstract = {A cidade de São Gabriel da Cachoeira, localizada no noroeste da Amazônia brasileira, é majoritariamente habitada por famílias indígenas. Neste artigo, investigamos em que medida as territorialidades indígenas propiciam a manutenção de uma diversidade alimentar neste contexto. Para tanto, combinamos o estudo de sistemas de produção periurbanos, a observação participante de práticas alimentares e a análise das principais linhas de abastecimento alimentar na cidade. A incorporação de alimentos de origem exógena nas refeições indígenas deve-se principalmente às condições de acesso aos recursos naturais e de mobilização da mão de obra. Para contornar essas dificuldades, os grupos domésticos articulam os recursos urbanos e florestais por meio da produção multilocal e da migração circular cidade-floresta. Além disso, na escala da família extensa, as redes de troca entre a cidade e a floresta favorecem a manutenção da qualidade dos produtos e da agrobiodiversidade.},
	language = {pt},
	journal = {Anthropology of Food},
	author = {ELOY, Ludivine},
	year = {2009},
	keywords = {Language: Portuguese, Region: Latin America / Caribbean},
	file = {ELOY - 2009 - Diversidade alimentar e urbanização o papel das m.pdf:/Users/bastien/Zotero/storage/IFWCSN6B/ELOY - 2009 - Diversidade alimentar e urbanização o papel das m.pdf:application/pdf},
}

Downloads: 0